Em décadas de história, Pernambuco elegeu apenas 3 deputadas federais - Michele Collins

Em décadas de história, Pernambuco elegeu apenas 3 deputadas federais

Dia Internacional da Mulher

PUBLICADO EM 07/03/2015 ÀS 18:00 POR  EM NOTÍCIAS

Arte: NE10

Por Marcela Balbino, repórter do Blog de Jamildo.

Ainda com os resquícios do período patriarcal, Pernambuco é um Estado que guarda os traços de uma sociedade marcada pelo machismo. O quadro é refletido nas principais esferas de poder.

Apesar de a mulher ter conquistado o direito ao voto há mais de 83 anos, o acesso às urnas não garantiu o ingresso nas Casas Legislativas. Na história política de Pernambuco, tivemos apenas três mulheres eleitas deputadas federais: Cristina Tavares (1983-1987), Ana Arraes (2007-2011) e Luciana Santos, que está no segundo mandato.

Nas eleições de 2014, apesar de 53,4% do eleitorado em Pernambuco ser composto por mulheres, elas representavam menos de um terço do número total de candidatos a um cargo eletivo no Estado.

Nos quadros da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) a participação feminina também é pequena. Dos 49 parlamentares, apenas cinco são mulheres. Comportamento semelhante segue a Câmara dos Vereadores, dos 39  apenas cinco são do sexo feminino.

Embora a alteração do artigo 10, da Lei 9.504/97, de setembro de 2009, estabelecer o número mínimo de 30% das vagas destinadas às mulheres em cada partido ou coligação, a mudança ainda não está refletida na sociedade. A equidade entre os gêneros ainda é meta distante.

Vereadora Michelle Collins atua na defesa da mulher na Câmara do Recife. Foto: Agnaldo Leonel/Câmara Municipal do Recife.

CÂMARA DOS VEREADORES – Polêmica e atuante, a Missionária Michelle Collins (PP) não tem meias palavras para explicar o machismo enfrentando dentro da Casa José Mariano. Cavando espaços para se inserir nas principais discussões da Casa, a vereadora afirma que não tem medo de briga.

“A gente tem que buscar os espaços. Temos que mostrar que estamos aptas. Quando eu tenho uma convicção, eu entro mesmo na polêmica para defender o ponto de vista”, explica a vereadora, que liderou em 2014 o número de proposições, foram 53 projetos e 1.379 requerimentos.

Apesar da defesa incansável dos projetos ligados à família, a missionária explica que muitas vezes é obrigada a abdicar do convívio com os três filhos para manter a vida pública. “Tenho o trabalho legislativo como missão, como causa. Ser parlamentar para mim é uma vocação e tento explicar isso, diariamente aos meus filhos”, explica a vereadora.

Dados do Censo de 2010, realizado pelo IBGE, mostram que as mulheres são maioria na população pernambucana. Dos 8,7 milhões de habitantes que residem no Estado, 4,5 milhões são mulheres e 4,2 milhões são homens.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.