Michele Collins debate políticas públicas para a juventude

 

Com o plenarinho lotado de jovens , a vereadora Missionária Michele Collins (PP) realizou reunião pública na noite desta segunda-feira (21) para debater o tema: Políticas Públicas para a Juventude. “Esta reunião tem um propósito especial: reconhecer a necessidade de valorização do jovem no contexto político, econômico e social da nossa cidade. É sabido que o tema juventude foi, por muitos anos, colocado em segundo plano em virtude de outras pautas encabeçadas pelo poder público e segmentos da sociedade civil”, argumentou a parlamentar.

Michele Collins afirmou que objetivo do encontro era ouvir a juventude para traçar políticas públicas que venham ao encontro das necessidades desses jovens. “Queremos ouvir as suas necessidades, as expectativas, para construirmos ferramentas de políticas públicas eficazes”, afirmou. A vereadora formou a mesa com o deputado federal Eduardo da Fonte; os estaduais Cleiton Collins e Romero Albuquerque; o vereador Chico Kiko (PP); o jovem Alef Collins; o secretário de Política de Prevenção às Drogas do Estado, Clóvis Benevides; a secretária Executiva de Política sobre Drogas do Recife, Ana Paula Marques; o presidente da juventude do PP em Pernambuco, Lula da Fonte; a representante do PP, Zélia Matos; e o advogado Maurício de Albuquerque, vice-presidente do PP em Pernambuco.

“Por ser considerada uma fase da vida bastante peculiar, recentemente os governantes começaram a compreender a necessidade de políticas públicas direcionadas aos jovens, visto se tratar do futuro do nosso país. É preciso que reconheçamos que a juventude brasileira foi protagonista de muitos momentos da nossa história, especialmente quanto à garantia do regime democrático de direito”, argumentou a vereadora. Dirigindo-se aos presentes, ela disse: “Vocês fazem parte de um segmento que merece atenção dos nossos governantes, especialmente nos campos sociais, culturais e econômicos”.

Para a vereadora, o desenvolvimento de políticas públicas para os jovens depende de um arranjo institucional inovador, seja nos equipamentos públicos e nas ações que beneficiem esta importante parcela da população. “A Prefeitura do Recife e a Casa José Mariano não têm se furtado a discutir este tema. Neste poder atualmente funciona a Comissão Permanente de Políticas Públicas da Juventude que tem, entre suas atribuições, decidir sobre projetos que compreendem este segmento, na área da educação, lazer e desporto, saúde, entre outras”. Ela lembrou que, por meio da Resolução 2403/05, foi instituído na Câmara do Recife o Parlamento Jovem, onde são eleitos 39 jovens, mesmo número dos vereadores, que representam segmentos como social, cultural, universitário, partidário, empresarial, entre outros, sendo um importante espaço para discutir, propor e deliberar sobre políticas públicas para a cidade.

“A cidade do Recife já conta, desde 2016, com o Plano Municipal de Juventude, uma relevante iniciativa que estabelece um conjunto de diretrizes e objetivos estratégicos que orientam a elaboração e execução das ações e programas direcionados aos segmentos juvenis da cidade. Na área de controle social, dispomos do Conselho Municipal de Políticas Públicas de Juventude do Recife e do Fundo Municipal de Juventude.

Ela argumentou que a realização da reunião pública foi “uma predição de que deve haver disposição para se discutir os rumos da nossa cidade e isso os jovens têm bastante. É, ainda, uma oportunidade para que os jovens acreditem que é necessário participar e propor mudanças que o Recife tanto precisa e que a juventude tanto sonha para uma sociedade mais igualitária e inclusiva”.

Um dos jovens que debateu o tema foi Lula da Fonte. “Agradeço à oportunidade que a vereadora Michele Collins nos dá, abrindo este espaço para falar de um tema tão importante”. Para ele, os grandes problemas que a juventude enfrenta estão ligados às drogas e à criminalidade. “Muitos criminosos têm entre 18 e 25 anos, no Brasil. Mas os poderes públicos precisam pensar em políticas de prevenção, que são tão ou mais importantes que as de punição”.

Já o representante da Fundação Milton Campos em Pernambuco, Tiago Cavalcanti, considerou que os poderes públicos precisam elaborar projetos de esportes e música para as comunidades e escolas. “É importante que os jovens fiquem ocupados com projetos sociais. E dessa forma, desfazer o tripé que se baseia na droga, na criminalidade e nas atividades para conseguir o dinheiro para manter o vício”. Segundo ele, combatendo as drogas, também combate-se o vício e a criminalidade.

Michele Collins disse que pretende elaborar um relatório, com base nos resultados da reunião, para ser entregue aos conselhos municipais e estaduais que lidam com as políticas públicas para a juventude; e também a entidades sociais como a Fundação Milton Campos.